segunda-feira, 9 de junho de 2014

E os anos 90 voltaram!

Postado por Gabi Fonseca. às 06:30 0 comentários Links para esta postagem
Não é de hoje que eu venho acompanhando a moda e suas tendências e notado que os sucessos da década de 90 voltaram. Quase tudo que aparece nas capas de revista é uma versão (não muito diferente) de 20 anos atrás, por isso, fiz  uma lista pra qualquer pessoa que viveu sua infância e adolescência nessa época  ter um déjà vu.

Macacão jeans.

Britney, Gêmeas Olsen e N sync arrasando no macacão, essa peça agora volta com uma modelagem mais justa, podendo ser colorida, curta ou mais cumprida.  Agora você já pode tirar aquela sua foto vestindo macacão do esconderijo e falar pra todo mundo que sempre acompanhou tendências :P



Cropped e franjas


Toda vez que eu vejo uma menina usando um cropped eu lembro automaticamente da Britney, obviamente os de hoje sofreram algumas mudanças, mas ainda são bem característicos. Além da barriga de fora, ainda tinha as franjas, que atualmente voltaram em bolsas, shorts e botas.




Camisetas esportivas


Não, eles não estão indo à um jogo de futebol, é puro estilo. Estilo este que voltou com tudo, as number tees  hoje fazem parte do guarda roupa de todas as fashionistas.



Jeans com Jeans

Olha a Britney de novo, dessa vez fazendo parzinho com o Justin e mostrando que  jeans com jeans nunca dá errado (ou não). Na moda de hoje essa combinação é mais sútil e pode ser feitas com várias lavagens e tons.


Grunge Camisa de flanela xadrez.


É só dar uma voltinha pelas lojas de departamento que você encontra milhares de peças com estampa xadrez e a camisa de flanela não está fora dessa leva. Fazendo uma referência direta ao grunge  elas são usadas como um casaco amarrado na cintura.



Shorts de cintura alta e blusa cigana

Sim, a blusa da Babalu sofreu um revival e voltou a ser vista por aí, além disso, os hot pants ou shorts de cintura alta também não são novidade.




Roupas masculinas oversize


Já pode voltar a roubar as roupas do pai e do namorado, e se ficar larga melhor ainda. O estilo boyfriend agora é usada para dar um contraposto em peças mais femininas.





 Os fru-frus


Ainda acho que deveriam ser queimados mas as it girls resolveram readotar as xuchinhas, agora conhecidas como scrunchies e quando maior e mais colorida melhor! (oremos).


 E aí, algumas dessas vocês acham que deveriam ter ficado no século passado?


sexta-feira, 6 de junho de 2014

Primeira aula de ballet (aos vinte anos)

Postado por Gabi Fonseca. às 09:32 0 comentários Links para esta postagem

(:


Sim, é isso mesmo, não tem idade para começar uma aula de dança. (TODOS COMEMORA) Muitas pessoas ainda acreditam que a fase certa para iniciar o ballet é na infância, porém esse ideia vem sendo mudada nos últimos anos. Claro que se você pretende ser uma/um profissional o melhor é que começa a prática quando criança, mas se é apenas pelo amor à dança, qualquer hora será a hora certa.
Depois de um bom tempo procurando alguma academia que oferecesse aulas de ballet iniciante, eu finalmente consegui conciliar meus horários (Dica: vá conversar com a/o professor/a, porque ele poderá te indicar a melhor turma ou adequar seu horário, além disso é sempre bom sentir confiança na pessoa que irá te ajudar a realizar um sonho), e cá estou eu pra falar como foi a primeira aula.

- Que roupa usar?

Como eu fiz apenas uma aula experimental fui de legging ( calça de ginastica), uma blusa ( prefira as mais justas) e meias :B  Se você já estiver matriculado pergunte para a professora qual sapatilha comprar (de meia ponta, subir na ponta ainda vai te exigir algum esforço e prática), collant e se é permitido o uso de saias ou shorts. Há escolas que possuem uniforme, então não tenha vergonha de perguntar.

- O que os outros vão achar? E se rirem de mim?

Minha primeira aula foi individual, pois no horário que eu escolhi ainda não teve muita procura, mas provavelmente você começará com uma turma, como em qualquer coisa da vida ficar ligando pra opinião alheia só irá te atrapalhar, você realmente quer deixar que a vergonha e as críticas te impeçam de dançar?  Uma dica é pensar que todos estão lá para apreender, errar faz parte dessa caminhada.

- Como foram os exercícios?

Primeiro fiz um alongamento, mais ou menos uns 20m, depois exercícios na barra (o famoso plié), depois posições de mãos e alguns movimento em frente ao espelho. nada que forçasse muito, a professora respeitou meus limites e quando ela percebeu que eu poderia fazer melhor ela exigia um pouquinho mais.

- Pretendo voltar?
Sim, acho que é uma ótima atividade física e mental. Me senti super feliz durante a aula e nem vi o tempo passar <3 

Espero que isso tenha ajudado vocês, ainda não entendo praticamente nada sobre ballet mas espero que ao menos eu tenha motivado você a procurar algo que te deixe feliz ^^

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Voe.

Postado por Gabi Fonseca. às 02:30 0 comentários Links para esta postagem


Tem vezes que nada que você faz é o bastante, quando você tenta dar um passo a frente e percebe que o abismo estava mais perto do que pensava. "Não havia uma corda aqui?" você pensa e antes de entender o que aconteceu já está em queda livre e o pior: ainda não aprendeu a voar.
A sensação deveria ser maravilhosa, o vento nos cabelos, nada te segurando, a incerteza do futuro... então poque o medo está presente? Por que a constante impressão de sufocamento?
Res-pi-re;
Rres-pi-re;
Resp-ire,
Res-PIRE!
Poquemesmoqueeunãofiztudooquetinhaquefazer?Porqueeunãoconsigofazernada?

Alguns segundos depois a queda continua, você junta as mãos em desespero e percebe que a corda sempre esteve ali, é só puxa-la e o paraquedas se abre. Você quem cria suas asas. Você é quem estava se sabotando, foi você quem colocou todo esse peso, você que esqueceu que podia voar...
E ao chegar ao chão, muio mais leve, você consegue entender que as quedas são necessários pra relembrar do que é capaz e que a única pessoa que pode te impedir de algo é você mesmo.
Mesmo que seu corpo diga que não, mesmo que os conselhos venham carregados de críticas, mesmo que o cansaço tenha virado seu melhor amigo, se você insistir em voar, nada irá segurar-lo ao chão.
O céu é o limite.
(e não aquela desculpa que você inventou pra desistir).






--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Só uma sequencia de pensamentos e uma nota mental, de algo que ninguém deveria esquecer.

terça-feira, 3 de junho de 2014

Livro: O coração das trevas.

Postado por Gabi Fonseca. às 07:55 0 comentários Links para esta postagem



"O horror, o horro!" é como definir este livro, essas palavras já foram citadas por aí milhares de vezes, mas ainda carregam um fardo de significado, um lembrete da essência do ser humano.
O livro foi escrito por Joseph Conrad e publicado em 1902 e, apesar de não citar abertamente, o cenário da estória é o Estado Livre do Congo considerado propriedade particular do Rei da Bélgica Leopoldo II, o qual explorava marfim e borracha com seu exército formados por militares e ex detentos. Estima-se que cerca de 10 milhões de congoleses.
A novela fala de Charlies Marlow, um inglês que conseguiu trabalho junto a uma companhia bélgica como capitão de um barco a vapor  em um rio africano. Quando chega ao lugar, descobre que seu  barco está danificada e precisa esperar o concentro. Em pouco tempo sua missão passa a ser a de resgatar Kurtz, um grande explorador de marfim, pintor e cientista que adoeceu  e precisa ser trazido de volta à civilização.


A presença de Kurtz é algo crescente na narrativa, a personagem se torna mais fascinante a cada instante, em contrapartida a presença dos negros é uma sombra, uma figura animalesca, as quais apenas trabalham até adoecerem e morrerem. Um jogo sobre a humanidade dos negros e a animalização dos brancos é travado nessa viagem.
Os civilizados acham que tem como obrigação ajudar na evolução dos selvagem, um falso moralismo carregado de maldade. O coração das trevas é a selva, é o que a colonização faz com os homens, a perversidade que domina. As trevas da natureza levam à corrupção e se instalam no ser humano. Mas como esperar algo diferente de uma missão  com tais objetivos? 
Um dos clássicos da literatura, que para alguns pode ter uma narrativa arrastada, sem ação, mas que na verdade é cheia de simbolismo. Um verdadeiro estudo sobre o âmago humano, vale muito apena a leitura, inclusive mais de uma vez. é impossível terminar-lo sem questionar alguns aspectos humanos, sem pensar no que é o "horror".
No cinema, o filme apocalipse now teve como base as ideias desse livro e é possível encontrar um documentário sobre a publicação com várias curiosidades.
A minha edição é a Abril clássicos, tem um preço excelente e é bem bonita, minha única reclamação é que a fita para marcar páginas já veio desfiada, uma pena, mas ainda assim recomendo.
E vocês já leram esse livro?




 

Coisas Frágeiis Copyright © 2012 Design by Amanda Inácio Vinte e poucos